Version EnglishENGLISH VERSION

A Política Externa Brasileira sob Lula: o fim do

20/08/2010

Imagem do palestrante

Pedro da Motta Veiga

Diretor, Centro de Estudos de Integração e Desenvolvimento (CINDES)

Imagem do palestrante

Sandra Polónia Rios

Diretora, Centro de Estudos de Integração e Desenvolvimento (CINDES)

A política externa brasileira teve, ao longo das ultimas décadas, um viés essencialmente econômico, que tem raízes históricas. O Brasil é, desde início do século XX, um “país geopoliticamente satisfeito”. Em função disso, “as definições de ameaças externas e as percepções de risco são basicamente derivadas de vulnerabilidades econômicas e não de segurança”. Isso levou a política externa brasileira a ser essencialmente econômica, sendo percebida pelas elites como “um dos principais instrumentos para propósitos de desenvolvimento” (Soares de Lima, 2003). O consenso em torno aos objetivos de desenvolvimento que cabia à política externa preservar pouco foi afetado pela transição liberalizante dos anos 90 no Brasil e se manteve ao longo da década que se encerra. No entanto, os primeiros dez anos do século XXI testemunharam mudanças importantes no quadro de condicionantes domésticos e externos que moldam a política externa brasileira.



Centro Brasileiro de Relações Internacionais